Logan Lucky: Roubo em Família

Logan Lucky: Roubo em Família

O aguardado retorno de Steven Soderbergh (Terapia de Risco, de 2013) às telas grandes não poderia se dar de outra maneira: um heist film (filme de assalto, em bom português), o subgênero no qual o diretor fez alguns de seus longas mais conhecidos – especialmente a trilogia Vários Homens e Sei lá quantos novos Segredos.

Citando Velozes e Furiosos e até mesmo Onze Homens e um Segredo, é evidente que o realizador fez um filme cuja diversão é o fator principal.

Como é de seu feitio, aproveitando os maiores nomes de Hollywood no momento de sua filmagem, o realizador utiliza seu já habitual colaborador Channing Tatum (de O Destino de Júpiter, melhor do que nunca) e junta-o aos estreantes do Sodercastverse Adam Driver (Star Wars: O Despertar da Força), Riley Keough (Mad Max: Estrada da Fúria), Daniel Craig (007: Spectre), Katie Holmes (O Doador de Memórias) e Hillary Swank (Um Momento Pode Mudar Tudo). Todos entregam algo adequado e condizente com seus personagens, com destaque mesmo  para o atual 007, diferente de tudo em que já o vimos e demonstrando versatilidade surpreendente como um brucutu ameaçador, mas de carisma.

Sempre talentoso ao apresentar as agruras da população colarinho azul estadunidense (seja via strippers masculinos, garotas de programa ou garçonetes) temos aqui um filme que se orgulha de ser o oposto da trupe de Danny Ocean, com todos majoritariamente burros e mal sabendo o que estão fazendo boa parte do tempo, rendendo uma comédia muito mais natural e cruel, com Soderbergh entregando, possivelmente,  sua mais irreverente obra até o momento.

Ao invés de um casino ou jóias preciosas, temos uma gangue de semi-iletrados roubando os lucros de uma corrida de NASCAR, e as medidas tomadas para tal assalto e reviravoltas decorrentes servem para lembrar por que Soderbergh, mesmo realizando um filme no automático, fazia falta no atual cenário cinematográfico. O roteiro é utilitário, apresentando aqui e ali alguns diálogos inteligentes via burrice alheia, mas raramente saindo da zona de conforto.

Citando Velozes e Furiosos e até mesmo Onze Homens e um Segredo, é evidente que o realizador fez um filme cuja diversão é o fator principal, nunca deixando de lado seu cuidado estético sem firulas ou a construção narrativa e dramática, tendo até mais sucesso aqui do que na já citada trilogia de assaltantes, que a cada filme tornava-se mais artificial. Como é do costume do realizador,  a fotografia fica por sua própria conta, sóbria, adequada e sem qualquer exagero que fuja do realismo.

Acostumado a querer dar rasteiras no espectador com finais surpreendentes ou ao menos inusitados, Soderbergh em Logan Lucky não acerta 100% na sua tentativa, cansando um pouco no terceiro ato, mas acertando na maior parte do tempo graças aos seus adoráveis perdedores e fazendo com que o espectador, mesmo não exigindo muito, saia satisfeito do filme. Na falta de The Knick,  já é alguma coisa.

Felipe Franca
Escrito por Felipe Franca

Ainda não há comentários.

Ninguém ainda deixou um comentário para esta publicação!

Deixe uma resposta

Logan Lucky: Roubo em Família


PAÍS: EUA
CLASSIFICAÇÃO:
DURAÇÃO:
ESTREIA: 12 de dezembro de 2017
DIREÇÃO: Steven Soderbergh
ELENCO: Riley Keough, Channing Tatum, Adam Driver, Daniel Craig, Katie Holmes, Hilary Swank
SINOPSE: Durante uma corrida de automóveis da NASCAR, o maior campeonato de stock car dos Estados Unidos, uma dupla de irmãos caipiras tenta realizar um ambicioso assalto.