Liga da Justiça

Liga da Justiça

Arroz de festa do universo DC Comics, sempre estive presente em eventos de grandeza nos quadrinhos como A Queda do Morcego (arco que inspirou o terceiro filme de Christopher Nolan) e a emblemática Morte do Super-Homem (presente e Batman vs Superman, mas não da forma anteriormente criada). Do último, lembro que no seu lançamento no Brasil em meados da década de 90 pessoas que nunca pararam para ler quadrinhos ousaram folhear as últimas horas do homem de aço lutando contra uma criatura misteriosa e sacrificando-se pela humanidade.

E quase 20 anos depois saio de Liga da Justiça, empreitada da DC que reúne seu panteão de heróis e conta com o renascimento do kriptoniano mais conhecido dos quadrinhos, presente  nos esforços da Warner em sanar todos os problemas de identidade que suas produções heróicas sofrem. E foi um resultado muito satisfatório. Com a direção de Zack Snyder – que teve que abandonar o projeto, ficando a cargo de Joss Whedon o processo de montagem – o longa é assertivo no seu tom aventuresco e promove uma história divertida e econômica nas explicações para o público que perdeu todo o período de ascensão dos heróis da DC. O filme tem uma narrativa linear, com várias quests no caminho: tudo de maneira ordeira e explicada. 

Entre os personagens mais fracos temos o Batman e a Mulher-Maravilha, os líderes da recém-criada Liga. O homem-morcego do Ben Affleck sofre muito mais pelos tons mais claros que o filme traz, dando liberdade para o personagem usar frases de efeito (todos usam, mas o líder é perito nisso), por outro lado o ator consegue passar certa frustração por ser o membro mais fraco da equipe. Já Gal Gadot, desde o filme solo da sua heroína, demonstra a sua limitação como atriz, compensado pelo carisma e construção da personagem desde sua primeira aparição. Aliado aos líderes, o maior problema de Liga da Justiça reside no mesmo que seus irmãos – ou não – de sangue tem: seu vilão. O lobo da Estepe é o clássico inimigo monstrão e malzão que quer dominar o mundo, explicar seus planos e rir sozinho. A única funcionalidade do antagonista é reunir a equipe, que trabalha de forma coesa, inclusive seu novos membros.

Analisando os novatos, o Flash (Ezra Miller) é um personagem que não esconde suas principais funções: ser o motor das piadas (onde cada diálogo é feito para ter graça); e para os usos de slow motion de Snyder tanto no seu uso estético como ferramental para condução de narrativa, ambos bem utilizados aqui – e que me deixa curioso para ver um filme solo e dirigido por Zach. Com uma origem igualmente econômica como Flash (cujos poderes são explicados em uma linha de diálogo), o Cyborg (Ray Fisher) retorna o drama de herói atormentado, mas o peso é esmerilhado no decorrer da história, e ele fica feliz no final. O Aquaman (Jason Momoa) é interessante, mas ainda é lugar-comum do ator ao analisarmos seus personagens em Game of Thrones e Amores Canibais, só como exemplos.

E temos o retorno pronunciado do Super-Homem (como era chamado na minha época) que por não guardar segredo, o filme perde toda a força do seu retorno. E Henry Cavill volta na melhor versão do Super vista, comprovando que o drama em excesso só fez mal para o personagem que é a epítome da esperança. Aqui, um dos grandes momentos está na sua ressurreição, onde o desorientado herói investe contra seus futuros aliados, e percebemos quão grande é a extensão dos seus poderes (o olhar do Super para o Flash é um provável momento a ser lembrado por anos pelo gênero).

Filme que cresce na minha mente a cada momento, posso dizer que Liga da Justiça pode sim afastar os mais hardcore do universo DC, mas é sincero e entrega o que promete. Só falta afinar mais um pouquinho que fica sussa.

Edgar Santos
Escrito por Edgar Santos

Editor do site Cinemáticos, diretor de arte, leitor de HQs e fã de Blaxploitation.

Ainda não há comentários.

Ninguém ainda deixou um comentário para esta publicação!

Deixe uma resposta

Liga da Justiça


PAÍS: EUA
CLASSIFICAÇÃO:
DURAÇÃO: 120
ESTREIA: 12 de dezembro de 2017
DIREÇÃO: Zack Snyder
ELENCO: Ben Affleck, Gal Gadot, Jason Momoa
SINOPSE: Após restaurar sua fé na humanidade depois do sacrifício do Superman, Bruce Wayne reúne um grupo de aliados para combater um perigoso inimigo.