Guardiões da Galáxia Vol. 2

Guardiões da Galáxia Vol. 2

Três anos após o sucesso inesperado de Guardiões da Galáxia, a Marvel Studios traz aos cinemas a continuação do agora não-tão-desconhecido grupo de anti-heróis intergaláticos de seu universo compartilhado. Consciente dos erros e acertos de seu primeiro volume, o longa encabeçado pelo diretor James Gunn parece mais correto na construção de seu conflito e vilão, apesar de manter-se algemado à uma zona de segurança que castra qualquer potencial de extrapolação narrativa e visual do que já fora visto anteriormente.

Investindo em múltiplos conflitos, muitos deles simultâneos, o longa se compromete a tentar entregar o máximo de equilíbrio na importância dada aos seus diversos personagens, uma das características mais competentes da Marvel Studios, que já a realiza com destreza desde seu primeiro Vingadores. Porém, esse caráter divisório traz aqui uma fórmula episódica que nos remete diretamente às séries antigas de Star Trek em sua incapacidade de estabelecer uma gravidade verdadeiramente limítrofe aos problemas enfrentados pelo caminho. A velocidade e negligência com que essas barreiras são enfrentadas podem causar no espectador uma séria sensação de superficialidade por não ver de maneira digna suas etapas serem destrinchadas.

Kurt Russel entra para o elenco desse novo volume como Ego, pai de Peter Quill (Chris Platt), uma presença excêntrica e curiosa que paira sob o filme com um tom de mistério. Vemos cenas interessantes que esboçam um aprofundamento entre a relação de pai e filho, mas ligadas de maneira pobre entre si, sem um crescente harmônico e genuíno para que seu desfecho seja mais palpável. Os diálogos nesse núcleo são genéricos e as soluções um tanto quanto preguiçosas, se estabelecendo em um meio termo entre o investimento emocional verdadeiro e a representação melodramática artificial.

Mas não, de forma alguma poderia desconsiderar os diversos méritos envolvidos no roteiro de Guardiões da Galáxia – Volume 2. O humor cotidiano e o pastiche absurdo de misturar elementos banais com situações extraordinárias ainda é o coração da franquia, sendo ainda mais efetivo pela construção de personagens carismáticos e genuinamente cômicos. Destaco aqui o desenvolvimento de Drax (Dave Bautista), figura sádica, incapaz de se relacionar de maneira eufêmica com outros seres, que não só tem um papel narrativo de fazer emendas e expor fatos necessários para o público, mas o faz de forma absurdamente divertida pela sua falta de trato social.

Na contramão da proposta sombria e realista que aproxima os super-heróis de um tom mais soturno, James Gunn nos brinda com uma explosão de cores diversas e saturadas para pintar o vazio do espaço sideral. Sua fotografia nos remete a um clipe lisérgico dos anos 80, sem medo do ridículo ou de pesar a mão em tons artificiais, explorando com muita criatividade e irreverência seus elementos inexistentes no mundo real. É bastante perceptível o quanto Gunn se mostra confortável na direção da franquia e transita entre linguagens de maneira fluída, que variam de gags visuais cartunescas (especialmente as que envolvem uma bomba energética que lança, repetidamente, um grupo inimigo para o alto e uma viagem espacial que distorce os formatos de seus tripulantes) até um humor mais contemplativo, de câmera aberta, dando aos atores a confiança de criar a cena por conta própria, sem a necessidade de uma interferência através da montagem.

Mesmo com o inchaço de um arrastado segundo ato, Guardiões da Galáxia – Vol.2 prova seu valor fílmico em sua conclusão, ao amarrar temáticas mais sensíveis com decisões corajosas e cenas repletas de uma ternura agridoce. Sem medo de deixar de ser descolado, o longa investe em lágrimas para intercalar seus risos, mostrando o quanto humano pode ser a vida no espaço.

Edgar Santos
Escrito por Edgar Santos

Editor do site Cinemáticos, diretor de arte, leitor de HQs e fã de Blaxploitation.

Ainda não há comentários.

Ninguém ainda deixou um comentário para esta publicação!

Deixe uma resposta

Guardiões da Galáxia Vol. 2


PAÍS: EUA
CLASSIFICAÇÃO:
DURAÇÃO:
ESTREIA: 19 de outubro de 2017
DIREÇÃO: James Gunn
ELENCO: Chris Pratt, Zoe Saldana, Dave Bautista, Vin Diesel, Bradley Cooper, Michael Rooker, Karen Gillan, Pom Klementieff, Elizabeth Debicki, Chris Sullivan, Sean Gunn, Tommy Flanagan, Laura Haddock e Kurt Russell.
SINOPSE: Guardiões têm que lutar para manter sua recém-descoberta família unida enquanto desvendam o mistério da real ascendência de Peter Quill.