TOP MCU – PARTE 3

TOP MCU – PARTE 3

Pois é, Vingadores Guerra Infinita tá chegando por aí, e nada mais justo que REVER TODOS OS FILMES do Universo Cinematográfico da Marvel (carinhosamente chamado MCU – Marvel Cinematic Universe) para fazer uma ultra lista – dividida em 6 partes – com a classificação até chegar nos melhores filmes.

Hoje vamos apresentar a terceira parte da classificação dos filmes do Universo Cinematográfico da Marvel – e entrando no Top 10.


 


12 | HOMEM-FORMIGA (2015) | Crítica

Dirigido por: Peyton Reed
Roteiro de: Edgar Wright, Adam McKa, Joe Cornishy e Paul Rudd
Mais uma história de origem de personagem, Homem-Formiga tem em sua força os elementos dos filmes de assalto, vistos na dinâmica do planejamento e execução de um roubo, aliada a uma comédia bastante calcada no carisma de seus personagens. Muito de sua qualidade vem da herança deixara por Edgar Wright, diretor de ações rápidas e precisas, mas que por divergências criativas deixou o processo pela metade, dando a Peyton Reed a oportunidade de seguir com o comando do longa. Essa decisão se transparece não apenas na direção, mas também no roteiro, que por vezes se apresenta como uma colcha de retalhos bem desenhados, mas mal costurados, apostando na conveniência excessiva e em um excesso de piadas descabidas para que o filme de fato funcione. O que chama atenção é a incrível relação com as proporções e as brincadeiras com as escalas dos objetos e dos personagens, ponto chave da narrativa que permeia todo o arco de Scott Lang de maneira coerente e interessante.

 


11 | DOUTOR ESTRANHO (2016) | Crítica

Dirigido por: Scott Derrickson
Roteiro de: Jon SpaihtsScott Derrickson
Depois de extrapolar o realismo do início do Universo Marvel com a noção do espaço sideral em Thor, Doutor Estranho insere a ideia de magia na franquia. Com um personagem de moral ambígua, puxado para a comicidade, há uma visível tentativa de emular algo visto em Homem de Ferro, com a redenção de uma pessoa arrogante através de um trauma. O carisma e a entrega cênica de Benedict Cumberbatch auxiliam bastante nesse processo, conseguindo despistar possíveis comparações, e a desenvoltura de cenas psicodélicas, com mudanças visuais nas cores e na espacialidade trazem algo novo pra Fase 3 de um universo que se repetia na apresentação de seus núcleos. Uma pena que a necessidade de uma extrapolação nesse surrealismo não foi cumprida por um roteiro bastante refém das normas da cartilha do MCU.

 


10 | CAPITÃO AMÉRICA: O PRIMEIRO VINGADOR (2012)

Dirigido por: Joe Johnston
Roteiro de:Christopher MarkusStephen McFeely
Iniciando o Top 10, figura a apresentação de Steve Rogers, e uma das melhores histórias de origem dos heróis da Marvel. Longe de ser um grito ufanista estadunidense, Capitão América é um filme sobre um homem que quer fazer algo para mudar o que está errado à sua volta, inclusive o próprio país cuja bandeira carrega em suas cores. Tudo se encaixa muito bem, e a ironia desse símbolo se torna um dos pontos altos da primeira Fase, plantando diversas sementes que serão desenvolvidas com louvor em suas duas sequências. Outro destaque aqui é Hugo Heaving como o Caveira Vermelha, se tornando um dos raros casos de vilões instigantes e bem desenvolvidos deste universo, deixando inclusive um gostinho de “quero mais” que nunca foi suprido.

Klaus Hastenreiter
Escrito por Klaus Hastenreiter

CEO BITCH na empresa Olho de Vidro Produções, ator, cineasta, crítico e fofo.

Ainda não há comentários.

Ninguém ainda deixou um comentário para esta publicação!

Deixe uma resposta